Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘guerra’ Category

www.salteadoresdaarca.com

 

O Iraque é um exemplo que numa guerra perde-se a noção de Humanidade em cada segundo que passa.

ir.jpg

www.salteadoresdaarca.com

 

Anúncios

Read Full Post »

www.salteadoresdaarca.com

O Império Romano ( O Fim ):queda.jpg

A partir do século II não se registrou nenhum desenvolvimento econômico. A Itália continuava a registrar uma queda em sua densidade demográfica, com a emigração de seus habitantes para Roma ou para as províncias do Oriente e do Ocidente. A agricultura e a indústria se tornavam mais prósperas quanto mais se afastavam da capital.


A partir do século III, o Império Romano entrou em declínio, teve início a crise do esclavagismo. A corrupção dentro do governo e os gastos com luxo retiraram recursos para o investimento no exército romano.
Em 476, chega ao fim o Império Romano. Era o fim da Antiguidade e início de uma nova época chamada de Idade Média.

O declínio económico do Ocidente ajudou no eventual colapso dessa área do império. Sem impostos suficientes, o estado não conseguia manter um caro exército profissional e foi forçado a contratar mercenários.

Lá pelo ano 400 EC, os romanos mal tinham legiões que os defendessem. Dependiam, basicamente, de convencer bárbaros a lutar em seu nome em troca dos dúbios benefícios da cidadania romana. Os bárbaros não demoraram a perceber que não precisavam lutar com ninguém: bastava entrar e pegar.

Simplesmente não havia tropas. Não havia o que se fazer. Os godos que saqueavam Roma eram os mesmo que antes defendiam o Império de outros bárbaros.

Diz-se que aqui acabou a civilização e começou a Idade Média, que durou mil anos.

www.salteadoresdaarca.com

Read Full Post »

www.salteadoresdaarca.com

A batalha de termópilas foi a primeira batalha terrestre entre o exército persa e os gregos.

Cerca de 250.000 bárbaros, comandados por Xerxes, contra 4 mil gregos, comandados por Leônidas. Apesar da derrota, os espartanos impuseram duras perdas aos persas e abalou a moral da tropa.

Os 300 espartanos são a guarda pessoal do rei Leônidas e que partem junto com ele para lutar contra os persas.

Estes compunham uma tropa de elite, também conhecida por Cavaleiros, e deveriam ser homens que tivessem filhos para garantir o culto a memória dos heróis.

Deixo-vos com um vídeo dessa Batalha

www.salteadoresdaarca.com

Read Full Post »

www.salteadoresdaarca.com

 

bufo.jpg

O bastonário da Ordem dos Advogados considerou esta terça-feira «ignóbil, vergonhoso e inaceitável» que o diploma sobre branqueamento de capitais queira transformar a classe numa «espécie de informadores da polícia», ou seja, «em bufos», refere a Lusa.
«Haja imaginação e coragem para arranjarem outros mecanismos de combate ao branqueamento», disse Marinho Pinto, alegando que, «sob a capa algo histérica do combate ao terrorismo», se pretende impor aos advogados um «dever de colaboração com a polícia», que na sua perspectiva «põe em causa o valor da confiança no causídico».

A Lei é cega. E eu acrescentaria mais um parágrafo:

“bufos-reais e bufos-pequenos, sacarrabos e salamandras, corvos e cucos, fuinhas e galinholas, pica-pau-malhado-grande e pica-pau-malhado-pequeno, …”

www.salteadoresdaarca.com

 

Read Full Post »

www.salteadoresdaarca.com

 

ph.jpg ph1.jpg

Sugestão de Fim de Semana 🙂

www.salteadoresdaarca.com

 

Read Full Post »

putin.jpg

 www.salteadoresdaarca.com

 

Volta-se a dar a devida importância às armas nucleares, ao desenvolvimento e utilização da tecnologia militar, ao poder de fogo, aos recursos naturais e à garantia do seu acesso, à preparação e equipamento dos efectivos – os elementos que definem o poder estratégico de um Estado. Uma tendência que se afirma desde a chegada ao poder de Vladimir Putin, em Março de 2000.

O anúncio das manobras aeronavais no Atlântico e no Mediterrâneo é um exemplo da determinação de Moscovo em fazer sentir a presença russa na área de influência da Aliança Atlântica, e dos Estados Unidos, em resposta à decisão de Washington instalar um sistema de defesa antimíssil na Polónia e na República Checa.

Sendo secretos a maioria dos valores do orçamento de defesa na Rússia, não é possível conhecer na realidade o custo da modernização em curso. Estimativas indicam que os gastos previstos para o corrente ano se situam na ordem dos 105 mil milhões de rublos, ou três mil milhões de euros.

Quando, em Fevereiro de 2007, em Munique, Putin descreve a conjuntura internacional como uma “nova Guerra Fria” e quando, em Agosto de 2007, anuncia o reatar dos voos dos bombardeiros estratégicos de longo curso no espaço aéreo internacional, suspensos desde o final da Guerra Fria, está a dizer ao mundo que a Rússia reivindica o estatuto não apenas de grande potência, mas o de potência indispensável num mundo que quer multipolar.

Os montantes gastos em armamento, se fossem transferidos para a indústria, investigação na saúde, dariam qualidade de vida às populações. Assim, passam a ser manipuladas pela informação que o governo deixa passar.

E vemos cada vez mais russos a emigrar para a Europa Ocidental, fugindo da miséria imposta pelos governantes.

russia.jpgwww.salteadoresdaarca.com

Read Full Post »

mossad.jpgcia.jpgfsb.jpg

ni6.jpgwww.salteadoresdaarca.com

De toda história do século XX e neste início do século XXI, os serviços secretos tiveram, tem e terão grande impacto nos acontecimentos históricos e de relevância mundial. Os serviços secretos são agências que representam o poder oculto dos Estados para que os tomadores de decisão possam efetuar suas escolhas com o menor risco possível, através das informações estratégicas produzidas.

Desde a primeira guerra mundial, a ação da espionagem sempre teve um peso nos resultados de decisões políticas que afetaram a ordem internacional. O “breve século XX” segundo as palavras do historiador Ecic Hobsbawm foram forjados através de um constante impacto de forças e ações militares, além do jogo secreto da espionagem.

Este jogo que é contínuo da primeira, para segunda guerra, da segunda para a guerra fria, e alimentada e crescente pós 11 de setembro de 2001, que as agências de inteligência do mundo inteiro buscam um novo posicionamento de ações e operações em busca de uma guerra comum, o terrorismo internacional.

O uso dos serviços secretos parte de um principio básico, conhecer o inimigo em todas as suas instâncias. E neste aspecto o conhecimento é um fator altamente estratégico e de valor para a definição clara de políticas internas e externas, e sua qualidade é base de respeito pelos tomadores de decisão. Segundo George Washington, em suas bases de políticas e construção de um novo Estado americano, “a necessidade de obter informações de qualidade é evidente e não precisa ser objeto de debate”.

A atividade de inteligência, ou produção de informações estratégicas, ou mais, produção de segredos, está intimamente relacionado com a política internacional. As relações internacionais têm seu palco constituído através da diplomacia, e os bastidores através dos serviços secretos.

As grandes potências resolveram, ou tentaram solucionar suas diferenças políticas ou posicionamentos internacionais através dos serviços secretos. As ações dos Estados Unidos na Segunda Grande Guerra devem-se na maioria dos casos a OSS (futura CIA), as ações da Inglaterra boa parte desenvolvida pelos quebradores de códigos de Bletchley Park, os caçadores de nazistas pós-guerras tiveram o apoio do Mossad israelense, as ações da KGB para tentar fortalecer a política soviética, ou neutralizar o avanço de sua futura derrota, a atuação da Santa Aliança, o serviço secreto do Vaticano, com apoio para queda do comunismo através da Polônia. A história dos serviços secretos está intimamente ligada aos grandes acontecimentos da política internacional.

O impacto dos serviços secretos nas relações internacionais é o grande problema para ampliação dos estudos em política internacional. Este impacto pode ser medido através da relação clara que suas ações abertas ou encobertas são construídas pelos interesses realistas de cada Estado.

Com a nova perspectiva mundial e com a guerra ao terror, as ações de inteligência têm um maior impacto do que nos tempos da guerra fria. Os serviços de inteligência atuam de forma mais efetiva nos bastidores, através de ações encobertas que resultam em operações de desarticulação de redes terroristas, de desinformações e articulação política em busca de interesses econômicos e militares, da busca de novas riquezas naturais e de energia, na integração de ações de espionagem industrial de empresas transnacionais, além de ações que possam desestabilizar o Estado de direito constituído em Estados democráticos.

Conhecer, antecipar, projetar, prever são os verbos que pautam as ações dos serviços secretos, e principalmente dos cenários da política internacional. Assim, o estudo dos serviços secretos não deve ser mero trabalho ou relato para romances de espionagem, e sim ações que realmente condizem com os reflexos de uma nova forma de fazer política e relações internacionais.

As novas andanças da política russa atual demonstram o impacto dos serviços secretos, que através da agência FSB (o serviço secreto russo ex-KGB) sufocam a democracia russa e ao mesmo tempo constituem um novo poder paralelo contra suas potenciais ameaças, ou até mesmo uma nova visão do que poderia ser a guerra fria parte II. Estudar as agências e seus impactos é compreender o bastidor da política internacional, além de constituir novos valores para este serviço necessário para a competitividade e segurança de cada Estado democrático de direito.

http://www.jornaldefesa.com.pt

O lado obscuro do Poder.

www.salteadoresdaarca.com

 

Read Full Post »

Older Posts »